Bariloche [comer]

introdução | planejar | clima | chegar e partir | vestir | comer | dormir | deslocar-se | passear | esquiar | comprar

Os restaurantes de Bariloche oferecem boa variedade e qualidade. As atrações são a carne, o vinho, a truta, o chocolate…

Para quem está focado no esqui, recomendo um bom café da manhã e “almojantar” mais para o final do dia, o que economiza uma refeição. Tome um lanche no meio da tarde, tipo “tostados” que é o equivalente ao nosso misto quente, mas é quatro vezes maior.

Os argentinos têm boa fama como produtores de vinhos. Sua uva Malbec é apreciada. Os vinhos melhores começam na faixa de US$20. Na temporada de agosto de 2018, um DV Catena Malbec saia US$30 num restaurante. No Brasil não custaria menos de US$50.

Na comida, o ponto forte é a carne. A truta também tem boa oferta.

El Boliche de Alberto, Villegas 347, tel 31433. Comer o bife de chorizo (contrafilé) que o velho Alberto oferece é programa obrigatório para os carnívoros que visitam a cidade. Seu negócio continua bem tocado. Faz mais de vinte anos que vejo os turistas esperarem no frio as portas do restaurante abrirem às 20h para garantirem suas mesas. É lugar simples, mas honesto.

O corte diferente que os argentinos usam para a carne produz combinação maravilhosa de sabor e maciez. O molho Chimichurri, temperado com ervas, combinado com o pão da casa, é boa entrada. Experimente os “empanados”. Um bife de chorizo com uma porção de fritas atende bem a fome de duas pessoas normais. A salada completa é bom acompanhamento para a carne.

O negócio de Alberto vai bem. Ele abriu mais uma loja perto da primeira. Tem outra na estrada junto ao lago, no caminho para Cerro Catedral.

Nebbiolo. Grata surpresa na temporada de 2018. Restaurante italiano com boa decoração e pratos que surpreendem. Do nhoque ao filé com mil folhas de batata, tudo funcionou a contento. O serviço simpático garantiu o conforto do jantar, mesmo com filho pequeno na mesa. Os vinhos Catena são oferecidos com preços razoáveis. Vale a visita.

Las Pastas de Gabriel, Elflein 49. Alberto já tinha seu “boliche” (seu “negócio”) bem sucedido. Então, juntou-se com o primo Gabriel e abriram esta pequena casa de massas. Outro sucesso. O negócio ficou com a família de Gabriel. O preço é ajustado aos que têm limitações no orçamento.

Chocolates

– Chocolates são uma oportunidade em Bariloche. Encontram-se várias lojas especializadas distribuídas por cada canto da cidade. As mais famosas (ou, se diga, maiores e em maior número) são a Casa do Chocolate e a Fenoglio. Gostei da Mamuschka (Mitre 216). Seu chocolate de tiramisu é supimpa. Dizem que o chocolate Mamuska é o melhor. Experimentem, viagem é para isso. Em 2018, me impressionei com o a rede Rapanui. Sua loja na Mitre é imensa e bonita, com janelas no estilo Art Nouveau. Rapanui também tem uma loja no Cerro Catedral, que é boa opção para o café com chocolate.

3 thoughts on “Bariloche [comer]”

  1. Gustavo,

    A cidade ainda está vazia, pode-se sentar no Boliche do Alberto para comer a tão famosa carne. Maravilhosa, realmente. Não há necessidade de pedir um pedaço de 500 gramas, pois a de 300 gramas é suficiente para duas pessoas que comem medianamente normal.
    Também fomos ao Alberto Massas. Recomendo as massas mais leves, tipo raviole. O nhoque é meio “massudo”, ou seja, o prato é para quem quer se entupir de comida. Enfim, a comida é ótima, barata e só um detalhe estragou a saída para jantar: havia um cabelo no nhoque. Pena.

  2. Para quem quiser comer algo diferente das tão famosas carnes, já que para quem fica uma semana, a variação é necessária, mando uma dica imperdível:
    Há duas fábricas de cervaja na Bustillo, Km 11,6 e 11,8. Cada uma tem seu valor, mas procurem a Berlina (é a segunda cervejaria à esquerda). É mais para um PUB, com 4 pratos principais sensacionais (provamos os 4, pois almocei uma vez e jantei outra, com minha mulher). Peçam depois a sobremesa que é uma mousse de sorvete de chocolate. Há também um mix de frutas vermelhas com Helado (sorvete). E provem as cervejas. Há uma espécie de degustação, que vem as 4 cervejas da casa em pequenos copos. Não é barato, mas é ótimo. Custou-me AR$ 145, o que dá cerca de R$ 80,00 para dois, mas valeu cada real gasto no cartão.

  3. Outra dica de resturantes: alguns, inclusive o Boliche do Alberto na Bustillo, fecham entre 15:30 e 20:00h. Então não espere encontrar muita opção para comer neste horário. Não é possível comer também nos restaurantes das estações do Cerro Catedral e do Cerro Otto depois de 15:00h. Eles só se mantém abertos até 16:00h para um lanche rápido, restringindo o serviço ao conhecido tostado, que é o nosso misto quente em tamanho gigante, cortado em 4 pedaços.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.