Lumiar [Friburgo]

bonito distrito de Friburgo recebe visitante saudosista

chegardormirpassearcomer&bebercomprar

Nostalgia. Lá pros tempos de 1975, um amigo, o Antonio, soube que a TV Globo havia feito reportagem sobre o alcoolismo e usara imagens de uma cidade do Estado do Rio que, apesar de não ser muito longe da capital, tinha acesso ruim e mantinha certo isolamento. O lugar apresentava algumas belezas naturais preservadas pela ausência do homem branco, digo, dos civilizados da cidade grande. Era Lumiar. Uma viagem de fim de semana mostrou um vilarejo com algumas casas em volta de um lago e uma pequena praça se fazendo de centro da cidade. A falta de luz elétrica (havia um gerador que mantinha as luzes reluzindo como fracas velas até nove horas da noite) e de telefone dava o tom da distância de Lumiar ao Rio. A primeira viagem nos encantou com a idéia de fins de semana longe de carros, televisões e toda a parafernália que o progresso proporcionava. Para vocês atentarem: naquela época não havia celular ou microcomputador! Pra quê tanta tecnologia? Para quê televisão, se podíamos ficar à beira do fogão de lenha, mexendo no fogo, enquanto a conversa com os amigos corria vagarosa. Para olhar tinha o céu de Lumiar, desimpedido da iluminação das ruas, onde as estrelas pareciam querer descer sobre nós. Nas noites frias, sentados na rua, assistíamos as estrelas cadentes que passavam em sua eterna pressa, riscando o céu. Para os ouvidos, tínhamos a lagoa da praça da cidade, um celeiro de sapos martelos que enchiam a noite com seu ritmado coaxar. De dia, à guisa de atividade física, caminhadas e um banho de rio era o esforço maior que os descolados freqüentadores da cidade praticavam. Havia também as viagens para ir e voltar de Lumiar. Como a estrada era de terra, o percurso era como a passagem por um portal que nos levava àquela cidadezinha dentro do mato. Quando chovia, uma viagem que demorava 3 horas, podia chegar a 7 horas. Era um rali para vencer os atoleiros. Era tudo farra. E assim foi por muitos anos.

Aos poucos a cidade cresceu. A estrada asfaltada chegou no fim do mandato do governador Chagas Freitas, por puro interesse eleitoral. Foi só uma camada de asfalto para comprar os votos da região. A estrada se desfez em buracos e deslizamentos já no ano seguinte a sua inauguração. Mas o portal para Lumiar fora escancarado, o progresso podia chegar. A cidade vizinha de São Pedro começava a se desenvolver com gente mais empreendedora. Conta-se que uma onda de argentinos deu início ao crescimento mais sofisticado de São Pedro. Lumiar, entretanto, sempre teve tendência a atrair os menos abastados, que se apaixonavam por suas coisas simples. Assim, com pouco dinheiro era possível comprar cachaça no alambique da cidade ou fazer uso de uma droga alternativa. A natureza incentivava. De fundo musical, havia a composição com o nome da cidade que Beto Guedes fez e transmitia bem o espírito indolente do lugar.

Nos anos recentes, a cidade passou por processo mais acelerado de crescimento. A região entre o rio Macaé e o centro da vila foi tomada pelos lotes padrão (12mx30m) e as casas pipocaram. Do outro lado do rio, uma planície resistia. Eram os grandes terrenos de seu João Grande, seu Manoel Augusto e seu Spitz. Todos idosos, morreram nos últimos anos deixando as terras para as famílias. Os terrenos foram loteados e, hoje, se contam às dezenas as casas que ocupam a grande área que outrora foi tomada pelas bananeiras e plantações de tomates. Para dar a medida da vitória da civilização que chegou, o belo perfil das montanhas onde se apreciava o por do sol, foi agraciado com uma torre de cerca de 30m de altura, para abastecer o sinal dos celulares dos novos lumiarenses.

Pois bem, Lumiar ainda existe. Mas as estrelas estão escondidas pela luz das ruas e das casas. Os sapos, estes desapareceram da lagoa da cidade. Uma revitalização da área construiu um degrau na borda do lago que não deixava os sapos saírem da água para cantar nas ruas em volta. Os que não morreram afogados meteram-se por uns canos de água e foram embora, em busca de lugar mais aprazível.

A casa que domina a praça Carlos Maria Marchon (ver foto), antiga sede da Fazenda Lumiar, hoje abriga um conjunto de lojas e restaurantes. A região tem grande número de pousadas. Empresas especializadas organizam passeios e esportes radicais em seus rios. É outra proposta, mas ainda é agradável.


Para chegar

Chega-se a Lumiar em viagem de 2h30min a partir do Rio de Janeiro. Pegar a ponte Rio-Niterói e a estrada Niterói-Manilha, seguindo depois na direção da região dos Lagos até Itaboraí. Há um retorno de cerca de 1km e toma-se a estrada que liga Itaboraí à Cachoeiras de Macacú. Esta estrada foi privatizada, os antigos quebra-molas continuam, mas estão melhor sinalizados. Depois, é subir a serra para Friburgo. Em Muri, cerca de 7km antes de chegar a Friburgo, aparece a entrada para Lumiar. São 22km asfaltados até o centro da vila.


Para dormir

Nas terras que eram de Manuel Augusto, seu filho Eledyr (todos conhecem como Lédio) e a esposa Nazaré mantêm a pequena Pousada do Vale (foto ao lado). É um lugar para quem quer conhecer a Lumiar de antigamente, com sua simplicidade cativante. O destaque é o café da manhã oferecido pelo casal. Vem gente de outras pousadas só para curtir o aipim, inhame, suco de laranja, ovo, tudo produto do local, saído da plantação e criação ali do lado.


Para passear

Lumiar é indicada para se passear pelas estradas por perto da cidade. Os rios da região criam pontos de grande beleza. Os “poços”, como o Poço Feio e o Poço Verde são lugares interessantes de se ir. Cuidado com os banhos de Rio. A região apresentava um dos mais altos índices do país para mortes por afogamento. Os turistas, impressionados com a beleza das águas, são vítimas potenciais dos acidentes nas correntes dos rios. Atenção.


Para comer&beber

O Restaurante Bromélias (tel. (22)2542-9938 ) fica na praça principal da cidade. Tem menu variado que permite experimentar de truta ou a picanha. O queijo de cabra, servido de entrada temperado com ervas, é boa escolha. O vinho tem bom preço e o atendimento é agradável e profissional.

O passeio a São Pedro mostra um centro algo equivalente à Rua das Pedras de Búzios (com as devidas proporções). Vários restaurantes e lojas se alinham criando o espaço para o passeio na cidade. O Dê Gastronomia (tel. (22)2542-3204) é um exemplo. Comida francesa pode ser praticada por lá. Os pães, patês e doces formam a base para saborear o café espresso. Boas pedidas são o patê de campaign ou, para sobremesa, a mousse crocante.


Para comprar

O Lumiar é bom para comprar os produtos da agricultura local. O aipim e inhame são estupendos. Uma feira na hora de voltar permite ter em casa, durante a semana seguinte, frutas e legumes frescos. Uma aquisição clássica é trazer logo um cacho inteiro de bananas.

O alambique de Lumiar é famoso e os adoradores de cachaça podem aproveitar para repor seus estoques.

  – Gustavo Gluto –

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.