de Praia a Tarrafal [Cabo Verde]

voltar ao índice Cabo Verde

A partir de Praia, capital de Cabo Verde e principal cidade da Ilha de Santiago, um bom passeio é ir até a principal cidade ao norte, Tarrafal, no outro extremo da ilha. Para as dimensões das viagens no Brasil, esta viagem é um pulinho logo ali, são cerca de 80 km. O aluguel por um dia de um carro pequeno com ar e direção sai por 45 euros. Cabo Verde fez recente investimento em suas estradas. Até depois de Assomada – mais da metade da viagem – a estrada é nova e de boa qualidade. Depois, segue-se por estrada de pedra (parecida com as nossas de paralelepípedos) muito bem feita que permite andar a 60 km/h. Esta iniciativa do governo do país tornou a viagem a Tarrafal muito agradável e confortável. Ponto para o turismo do país! Mesmo na boa estrada asfaltada é recomendado manter o limite de 80 km/h para garantir a segurança. Não há pressa. Uma viagem a Tarrafal pode ser feita, sem correr, em uma hora e meia.

mapa

Esta viagem foi pelo interior, pela Estrada do Norte, que passa pela cidade de Assomada. Em outro artigo, descrevemos o retorno pela Costa Leste da ilha. A saída da cidade de Praia nos mostra as construções sem acabamento externo, muito comuns em toda a ilha. Os tijolos de cimento cinza são o equivalente em Cabo Verde aos tijolos aparentes que vemos no Brasil. A paisagem da estrada mostra a vegetação característica do clima tropical seco da ilha. Fora da temporada de chuvas (julho a outubro), o verde fica desbotado, só ganhando cor nos fundos dos vales, onde a água é mais accessível.

Praia a Tarrafal

A paisagem árida apresenta típicos morros onde a erosão cria belas formas. O pico da Antonia é o ponto mais alto com 1.392 m.

Praia a Tarrafal

Passamos por pequenas cidades, como S. Domingos e Picos. Logo depois, chega-se a Assomada, já no meio da viagem, a segunda maior cidade da ilha, de onde se originam as famílias mais tradicionais do país. Como em Praia, encontramos um mercado central animado, com as mulheres vendendo toda a variedade de produtos da agricultura local.

Praia a Tarrafal

Não há homens na atividade de vender nos mercados. As mulheres em suas bancas de venda são uma atração a parte. Com roupas coloridas que combinam com as cores dos produtos, a imagem é de grande plasticidade. As crianças pequenas ficam com suas mães, nos colos ou perambulando por perto. Os traços elegantes das mulheres chamam atenção. A toda hora do dia elas estão com os cabelos cuidados, penteados como se fossem para uma festa naquela hora. Seus sorrisos largos são simpáticos. O som do creole cabo-verdiano, a língua falada todo o tempo, onde algumas palavras do português são reconhecidas aqui e ali, fazem o fundo sonoro do burburinho do mercado. A cultura lusa da higiene se manteve em Cabo Verde. O mercado aberto não mostra produtos em má conservação. O chão é limpo. O cheiro do lugar é agradável.

Praia a Tarrafal

Logo depois de Assomada, uma grata surpresa. Chama-nos atenção o nome à porta do pequeno hotel: Côte de France. O estacionamento desarrumado não recomendava o lugar. Entramos. Fomos recebidos pela simpática proprietária: Magali. O restaurante se mostrou a melhor surpresa da Ilha de Santiago. Excelente. Sua cozinha de influência francesa é uma delícia. A entrada de linguiça com pedaços de queijos é um crime a ser cometido contra o colesterol. Estava perfeito o atum no molho bechamel acompanhado de saboroso purê de batata. Também agradou o peixe desfiado na estilo de uma coquille. A carne de vaca completava as escolhas. Tudo acompanhado de saborosas saladas de legumes. Um Bordeaux Supérieur saiu-se a contento como escolha do vinho. A ampla vista do terraço ao fundo é perfeita para apreciar a mudança de cores da vegetação com a chegada das chuvas. O poucos quartos do hotel são mantidos com esmero. A foto ao lado nos mostra uma suíte da pousada. É um bom pouso para uma noite antes ir para Tarrafal.

Praia a Tarrafal

Magali nos falou dos diversos passeios possíveis pelo interior da região, que são perdidos pelos viajantes mais displicentes ou pouco avisados. Ela nos deu a dica de visitar Boa Entrada, a meros dez minutos do hotel. Para quem vai na direção de Tarrafal, a estrada para Boa Entrada fica quase em frente ao matadouro que há na saída de Assomada. A estrada é de pedra, estreita e tortuosa, mas de fácil condução do veículo. Depois de muitas curvas, chegamos a uma várzea verdejante com bananeiras e outras culturas que aproveitam a água acumulada no fundo do vale.

Praia a Tarrafal

Lá encontramos o destino do passeio: a árvore mais antiga de Cabo Verde. Com seu tronco largo, enrugado e contorcido, a árvore faz jus a sua fama.

Depois desse passeio, estávamos prontos para subir a Serra da Malagueta. Após a subida íngreme, no alto da serra podemos olhar para trás e ver a estrada que nos trouxe de Assomada.

Vista da Serra da Malagueta

Depois, foi atravessar a garganta da montanha e descer para Tarrafal. Notem que a foto abaixo foi tirada na temporada de chuvas. O verde fica bonito nessa época.

Garganta para atravessar a Serra da Malagueta

Um pouco antes da cidade, passa-se pela antiga Penitenciária de Chão Bom, para onde prisioneiros políticos eram enviados. Ao final da viagem, a visão da bela praia de areia branca é um colírio para os olhos cansados da aridez da estrada.

Praia a Tarrafal

Um almoço à beira do mar, no restaurante Baía Verde, melhor ponto da cidade, revitaliza para o retorno pela Costa Leste da Ilha de Santiago. O peixe Chico Preto causa muito boa impressão. O o vinho Chã, da Ilha de Fogo, nem tanto. Não recomendo. Fiquem com as cervejas, de Cabo Verde ou Portugal.

Depois de uma boa refeição era hora de começar viagem de volta. Mas isso já é outro artigo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.