Bariloche [esquiar] Cerro Catedral

introdução | planejar | clima | chegar e partir | vestir | comer | dormir | deslocar-se | passear | esquiar | comprar

bariloche

O esqui em Bariloche acontece na estação de Cerro Catedral, que é a maior e concentra boa parte da atividade de esqui da região. A cidade vizinha Villa La Angostura (fica a 120km de Bariloche) também tem sua pequena estação, Cerro Bayo. Em San Martin de Los Andes, distante cerca de 200km de Bariloche, há a estação de Chapelco.

Cerro Catedral possui 120 km de pistas na montanha. Ocupa 600 hectares de bosques com pistas e caminhos. A montanha onde ficam as pistas está situada a 25 minutos de carro a partir do centro da cidade de Bariloche. Pode-se chegar a Cerro Catedral de ônibus. Historicamente a passagem custa cerca de US$1 por pessoa. Pode-se utilizar também os carros contratados, os “remises”. Por exemplo, a partir do Hotel San Remo, no Centro da cidade, sai cerca de US$20. Você pode pedi-los do hotel. Os táxis costumavam sair mais caros cerca de 25%.

As câmeras online permitem acompanhar como está a neve em Cerro Catedral. Há várias delas:
– a câmera da bariloche.com.ar tem uma boa visão de como está a montanha (clique aqui)
– Catedral Alta Patagônia, a empresa que administra a estação de esqui de Bariloche, também tem sua câmera (clique aqui)

A foto abaixo mostra como fica a estrada chegando em Cerro Catedral em época que está nevando na região.

Cerro Catedral é a principal estação de esqui da região. Um grande sistema de transportes permite aos esquiadores (e visitantes a pé) alcançarem o alto da montanha para poderem escorregar ladeira abaixo. O passe permite acesso a todos os meios de elevação, exceto o teleférico, que tem tarifa paga à parte, e é a opção para o turista que não vai esquiar e quer ver a vista do alto da montanha de Cerro Catedral. O transporte que parte do Shopping Terrazas é mais moderno que as tradicionais cadeirinhas abertas. Chamado de Sextupla, é mais rápido, possui proteção contra o vento e leva até 6 pessoas de uma vez. Do lado esquerdo, há uma subida num pequeno teleférico com capacidade para 4 pessoas, o Amankay. É boa opção para quem quer se esquivar do frio na subida. Desse lado da montanha há uma boa pista de nível azul, ou seja, de média dificuldade. Também serve para quem quer ir apenas passear. Lá no alto, há um bom restaurante para descansar do frio, aproveitar a vista e curtir um chocolate quente.

Depois da primeira estação, outros sistemas de transporte em cadeiras de 2 ou 4 pessoas nos levam mais para cima. Os equipamentos não são tão modernos como das estações européias ou americanas, mas funcionam bem. Uma nota triste: Em 2004, houve um acidente na estação. Uma das cadeiras se soltou e escorregou nos cabos, indo bater na cadeira que vinha mais atrás. Pessoas saíram feridas. Bem, a vista lá em cima justifica a subida. Vejam só a beleza deste visual:

bariloche

Clique (aqui) para ver as tarifas na empresa Catedral Patagonia que opera os meios de elevação. A tabela da foto abaixo mostra os preços de média temporada de 2008.

Um pouco sobre a história dos preços: Em 2004, um passe de dia inteiro custava cerca de US$22. Em 2006, subiu para US$40! Se você quisesse esquiar somente a partir das 13:00h, pagava US$30. Em 2008, o preço na média estação (a partir de agosto) era de 130 pesos (US$43). Para esquiar somente na parte da tarde, a partir de 13:00h, custava 105 pesos (cerca de US$35). Como o dólar estava barato no Brasil, os US$43 do preço em 2008 era bom preço para os brasileiros, que tinham um câmbio de R$1,6/US$1. Me lembro de um câmbio de R$2,4/US$1 em 2006. De 2008 em diante, tivemos bons anos para viajar para Argentina. Com a inflação argentina difícil de ser contabilizada nestes dias de 2013, fica complicado comparar os preços.

Segundo Thiago (sugerido em agosto de 2010), uma boa no Cerro Catedral é fazer um passeio de dia de quadriciclo e moto de neve. Ele sugere a empresa LACUEVA. O preço é 145 dólares para o casal.

aluguel de equipamentos – Em Cerro Catedral há muitas lojas para o aluguel de equipamentos. Considere pagar US$20 por dia para alugar as botas. Os preços podem ser reduzidos se o aluguel for contratado para vários dias ou para grupos de pessoas. Vale a pena negociar. Pagamentos em “efectivo” (dinheiro vivo) podem ser usados como argumento para reduzir o preço na negociação.

Um pouco sobre a história dos preços:O aluguel diário de botas e esquis custava US$15 em 1999, US$10 em 2004 e, em 2006, voltou à faixa de US$15. Em 2008, em agosto, o aluguel estava em 55 pesos (US$18). Tudo depende da relação dólar-peso-real. O preço em dólar estava maior, mas como o dólar baixou em 2008 em relação ao real, o preço em real estava muito bom.

aluguel de roupas – A dica de Adriana, em junho de 2009, informava que o aluguel de roupas custava US$5,00 , na loja ao lado do Hotel Pacífico, Rua Moreno. Segundo Fabricio informou em 09.06.10, a dica é pesquisar nas diversas lojas da cidade. Segundo ele os preços variam de 25 a 70 pesos. Cuidado com os preços muito baixos de aluguel do conjunto bota impermeável, calça e casaco (ou macacão) e luvas de esquiar. Pode ser que o conjunto barato seja mais surrado, ou usado que, ao ser devolvido, foi pendurado para novo aluguel, sem a devida lavagem e higienização. Edimilson indicou o site Taos Bariloche para se ter uma referência de preços de aluguel.

Outra dica: opte, se puder, para alugar um conjunto de casaco e calça. É uma opção um pouco mais cara que o macacão, mas dá mais liberdade para colocar e tirar a parte de cima (casaco), especialmente nos intervalos da prática do esqui, quando você entra em um restaurante para um chocolate quente ou para almoçar.

instrutores – Recomendo fortemente começar a esquiar tendo aulas com instrutores. A segurança neste esporte é algo para se ter atenção. Considere pagar US$50 pela aula individual. No início, uma aula por dia é boa prática para se evoluir no esqui. É bom não ir sozinho a uma pista nova sem conhecê-la primeiro acompanhado de alguém mais experiente.

seguro – Fazer seguro de saúde para viagens de turismo é dinheiro bem empregado. É comum esquecermos de adquirí-lo ou decidirmos por economizar esta despesa. Bem, cada um avalia o risco e o valor de sua proteção. Entretanto, para fazer esqui, e mais ainda, para os principiantes, o seguro de saúde é indispensável. Lembre-se de verificar se o seguro cobre a atividade de esquiar.

comunicação – Antigamente, a comunicação quando se estava na montanha era um belo inconveniente. Hoje, isso pode ser resolvido de várias maneiras. Uma maneira é alugar um telefone celular local. Mas também se pode alugar ou comprar walkie-talkies para conversar enquanto se esquia. É ótimo para que cada um possa ir no seu ritmo. Há um estande na loja Travessia, no Cerro Catedral, para fornecer este serviço. Como o preço baixou, os walkie-talkies se tornam cada vez mais um recurso interessante para quem viaja em grupo. Vale a pena comprar o aparelho com alcance de 12 milhas (17 km) que permite a quem está no alto da montanha conversar com quem ficou na base de Cerro Catedral.


Para comer&beber

O centro de esqui possui restaurantes, mas os melhores estão no centro de Bariloche ou no caminho entre a estação e a cidade.

Uma recomendação é sentar no café Havanna, no canto direito de quem entra no shopping Terrazas de Cerro Catedral, tomar um expresso antes de subir a montanha ou comer um “tostado” (sanduíche de queijo e presunto) para recuperar as forças depois do esqui, antes de voltar para o hotel.

Para almoçar recomendo o restaurante Norte-Sur, na base da montanha, perto do banco. Fica no segundo andar. Não deixe o equipamento embaixo, leve-os para cima e deixe na porta de entrada. Os “asados” não perdem para os do boliche do Alberto. Os vinhos são básicos.


Para dormir

Há hotéis no Cerro Catedral, junto da montanha. O padrão é alto. Paga-se caro para poder acordar de manhã, abrir a porta do hotel e estar junto dos meios de elevação. É um conforto. Não tive ainda esta moleza em Bariloche.


Para comprar

Cerro Catedral possui lojas que permitem comprar todo o material para a prática de esqui e snowboard. Mas é melhor deixar as compras para Bariloche. Na estação, comprar apenas nos casos de emergência, como as luvas que se perdem ou um gorro de última hora para compor o vestuário do esquiador. Em 2008, se você fosse um abastado, poderia comprar um Land Rover ou um Porsche, que ficam expostos para os olhos espichados dos frequentadores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *